fbpx

Desodorante, botox ou cirurgia: qual é o melhor tratamento para hiperidrose (suor excessivo)?

Servindo, principalmente, para regular a temperatura, o suor é uma função normal do nosso corpo.

No entanto, em algumas pessoas, a transpiração acontece em excesso. Isso recebe o nome de hiperidrose.

Esta, por sua vez, não é uma condição letal.

Entretanto, conviver com ela passa longe de ser uma tarefa simples e fácil.

Geralmente, quem sofre com a hiperidrose já passou por experiências sociais desagradáveis por conta do suor excessivo.

Dessa forma, não é difícil encontrar pessoas com dificuldades para se relacionar tanto na vida pessoal quanto na profissional.

Apesar disso, a hiperidrose tem tratamento.

Os mais comuns são: o uso de desodorantes, a aplicação de botox e procedimento cirúrgico.

Mas qual dos três é o melhor tratamento para hiperidrose?

Escolher o melhor método para o seu caso pode ser difícil, pois isso envolve investimento financeiro e, em muitas situações, dores físicas.

Sabendo disso, hoje decidimos abordar um pouco mais sobre os três tratamentos mais indicados e os prós e contras de cada um.

Vamos lá?

Top 4 melhores antitranspirantes para combater a hiperidrose!

Desodorante para hiperidrose

Apesar das pessoas acharem que desodorante e antitranspirantes são a mesma coisa, ambos os produtos são bem diferentes.

Enquanto o desodorante ameniza ou elimina o odor corporal, o antitranspirante bloqueia, de forma temporária, as glândulas sudoríparas.

Consequentemente, tal feito reduz a transpiração.

No caso da hiperidrose, o tratamento passa pela utilização de desodorantes.

No entanto, os produtos que apresentam as duas características podem ser uma ótima alternativa já que o suor pode vir acompanhado de mau cheiro.

Normalmente, o desodorante para hiperidrose mais indicado é o que contém cloreto de alumínio hexahidratado na composição.

Isso, porque, esse elemento forma um gel que entope temporariamente os poros que liberam o suor. Sendo assim, você para de transpirar.

Para algumas pessoas, apenas o uso de desodorante para hiperidrose resolve.

No mercado, as opções mais conhecidas que dão resultado são: Odaban e Driclor.

A média de preço de ambos os produtos fica por volta de R$ 120.

No mais, eles podem ser usados por qualquer pessoa, a partir de doze anos, desde que ela não seja alérgica ao componente principal: o cloreto de alumínio hexahidratado.

Botox para hiperidrose

Popularmente conhecida como botox, a toxina botulínica é um método utilizado para o tratamento da hiperidrose.

Nessa alternativa, a aplicação de botox na axila acontece próximo às glândulas sudoríparas, que são as responsáveis por maior quantidade de transpiração.

Dessa forma, consegue reduzir e, em muitos casos, eliminar a sudorese em excesso.

Normalmente, o processo de aplicação de toxina botulínica dura em média 30 minutos.

Por conta desse tempo, essa técnica pode ser feita nos consultórios dos especialistas indicados.

Comparado ao método anterior, esse é mais invasivo já que alguns furos são feitos na pele.

Sendo assim, pode ocasionar efeitos colaterais. Os mais comuns são: dor no local da aplicação e inchaço.

Apesar disso, a técnica de botox não é definitiva, isto é, não garante uma vida sem transpiração intensa.

Ela promete um resultado que dura entre seis a doze meses.

Depois desse período, caso queira, você precisará fazer mais reaplicações.

Para isso, é importante se organizar financeiramente já que cada aplicação de botox para hiperidrose custa, em média R$ 2000 por axila.

Antitranspirante ou botox nas axilas? O que é melhor pra suor excessivo?

Cirurgia para hiperidrose

A cirurgia para hiperidrose é nomeada de simpatectomia.

Ela tem como objetivo interromper as fibras nervosas simpáticas que levam o estímulo às glândulas sudoríparas para determinada parte do corpo.

A simpatectomia pode ser de dois tipos: a lombar e a torácica.

Na primeira, a cirurgia elimina o suor excessivo de regiões como coxas, nádegas, virilhas e pés.

Já a simpatectomia torácica trata a hiperidrose palmar (nas palmas das mãos), axilar e, em alguns casos, de crânio-facial.

Esse método deve ser feito sob anestesia geral e acompanhados de um aparelho de vídeo.

Por conta disso, é considerado minimamente invasivo.

Como é um procedimento cirúrgico, complicações podem acontecer.

Algumas delas podem ser mais destacadas como: hemorragias, infecções, dores e entrada de ar na pleura pulmonar.

Alguns efeitos colaterais também podem surgir.

O mais temido de todos é a hiperidrose compensatória, isto é, aumento do suor em outras partes do corpo.

Para evitar esse quadro, é importante respeitar o pós-operatório.

No mais, a cirurgia para hiperidrose tem um custo financeiro bem mais alto que os outros tratamentos indicados anteriormente.

Alguns convênios aceitam esse tipo de procedimento. Consulte o seu!

Entretanto, esse método também pode ser feito de forma particular.

Nesse caso, o preço varia, pois depende do médico e da equipe dele.

A operação pode custar de R$ 3000 a R$ 18000.

A partir de 2009, a Câmara aprovou que a simpatectomia deveria ser coberta pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Aprenda a minimizar as cicatrizes da simpatectomia

Prós e contas de cada tipo de tratamento para hiperidrose

Agora que você já sabe as principais características de cada tipo de tratamento para hiperidrose, conheça os prós e contras de cada um.

Desodorante para hiperidrose

Prós

  • Recomendado para todos os casos
  • Mais barato
  • Método menos invasivo de todos
  • Não sente dor

Contra

  • Reduz o suor excessivo temporariamente
  • Não é indicado para quem tem alergia ao cloreto de alumínio hexahidratado

Botox para hiperidrose

Prós

  • Procedimento rápido
  • Dura em média de seis a doze meses

Contras

  • Após um tempo, precisa de reaplicação
  • Tem um custo financeiro de, pelo menos, R$ 2000 por axila
  • Pode causar dor e inchaço

Cirurgia para hiperidrose

Prós

  • Promete eliminação do suor de forma definitiva
  • Pode ser feita pelo SUS ou por planos de saúde

Contras

  • Tem riscos de efeitos colaterais como hiperidrose compensatória
  • Fazendo de forma particular, tem um custo alto
  • Pode causar dores e outras complicações

Qual o melhor tratamento para hiperidrose?

Se você está curioso para saber a resposta do questionamento acima, então, sentimos em informar, mas não há uma solução unanime.

O melhor tratamento para hiperidrose depende do seu caso e, claro, da sua realidade financeira.

Independente de qual seja, é importante que você seja acompanhado por um médico que te indique o melhor método e consiga sanar todas as suas dúvidas sobre cada um.

Acabe com o suor no rosto e cabeça

E aí, gostou do nosso artigo?

Para você, qual é o melhor tratamento para hiperidrose?

Qual deles te proporcionou melhor qualidade de vida?

A maior loja virtual para quem sofre de hiperidrose do Brasil!
Facebook
Twitter
Pinterest

Uma resposta

  1. Fiz a cirurgia há uns 20 anos pelo SUS. Sabia de todos os prós e contras e faria tudo novamente. O suor compensatório é mais evidente logo após a cirurgia, e com o tempo o corpo vai se equilibrando. Meu grande problema sempre foi o suor nas axilas. Com a cirurgia minhas mãos (que suavam bastante tb) nunca mais teve suor (o que também pode ser um problema, pois é uma área bastante ressecada). Logo após a cirurgia minhas axilas secaram por completo, no entanto conforme os anos foram passando, notei que houve uma volta do suor, porém tido como normal. Nesse verão, no entanto, minha axila esquerda voltou a suar muito, 20 anos depois. Apesar de tudo acho que valeu a pena a cirurgia, e agora vou testar os desodorantes para ver como funcionam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.