fbpx

Escitalopram e suor excessivo: melhora ou piora?

O organismo humano é um conjunto de órgãos e sistemas que funcionam perfeitamente.

No entanto, quando acontece algo “fora do comum”, como situações estressantes ou estar em ambientes muito quentes, o nosso próprio corpo manda sinais para controlar o seu funcionamento.

Dependendo da situação, o sinal é o suor.

Ele é responsável por controlar a temperatura do nosso organismo e, assim, impedir o superaquecimento.

Porém, já parou pra pensar em como seria se transpirássemos muito independente da situação?

Esse é o caso de quem tem hiperidrose. Mesmo em repouso ou em locais refrigerados, a pessoa está suando.

Embora essa condição não seja grave e nem letal, ela pode ser complicada de lidar.

Para não passarem por momentos constrangedores e desagradáveis, muitas crianças saem das escolas e adultos pedem demissão.

Com o objetivo de reduzir o suor excessivo, várias pessoas passam a se automedicar.

No entanto, isso é muito perigoso, porque nem sempre os remédios e/ou as doses vão estar de acordo com o seu real problema.

Constantemente vemos pessoas com dúvidas acerca de alguns medicamentos.

O da vez é o Escitalopram.

Será que ele melhora o suor excessivo? Para que serve Escitalopram?

Essas são algumas perguntas que vamos responder nesse texto.

Acabe com o suor no rosto e cabeça

Para que serve Escitalopram

O Escitalopram é um medicamento age na região cerebral corrigindo as concentrações inadequadas de neurotransmissores.

A substância ativa desse remédio atua por meio da recaptação de serotonina.

Esta, por sua vez, é um neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar e do humor.

Dessa forma, esse remédio é indicado para pessoas em:

  • Tratamento e prevenção da recaída ou recorrência da depressão
  • Tratamento do transtorno de pânico, com ou sem agorafobia
  • Tratamento do transtorno de ansiedade generalizada (TAG)
  • Tratamento do transtorno de ansiedade social (fobia social)
  • Tratamento do transtorno obsessivo compulsivo (TCC)

Efeitos colaterais do Escitalopram

Classificado como um Inibidor Seletivo de Recaptação da Serotonina (ISRS), o Escitalopram pode provocar alguns efeitos colaterais. Sendo os principais:

  • Náusea
  • Dor de cabeça
  • Coriza
  • Aumento ou diminuição do apetite
  • Ansiedade
  • Dificuldade para dormir
  • Sonolência durante o dia
  • Tonturas e tremores
  • Sensação de agulhada na pele
  • Diarreia ou prisão de ventre
  • Vômitos
  • Secura na boca
  • Aumento na produção do suor

Além destas, algumas pessoas também podem apresentar dor nas articulações e nos músculos, febre, cansaço, aumento de peso e distúrbios sexuais.

Geralmente, essas reações são mais frequentes nas primeiras duas semanas de tratamento.

Ao longo do tempo, esses sintomas diminuem de frequência e intensidade.

Por conta desses efeitos colaterais, esse medicamento é contraindicado para menores de 18 anos e para pacientes que têm hipersensibilidade à algum componente da fórmula.

Pessoas com arritmia também não devem ser indicadas a usar o Escitalopram.

Ademais, pessoas que fazem uso de medicamentos para esse problema cardíaco e inibidores da monoaminoxidase (IMAO) não devem fazer uso do remédio em questão.

Em casos de gravidez, diabetes, epilepsia, problemas nos rins, fígado ou cardíacos e entre outros, o uso do Escitalopram só deve ser feito com prescrição médica.

De qualquer forma, é importante procurar acompanhamento de um especialista no assunto.

Assim, ele poderá indicar a melhor dose para a sua situação.

Escitalopram pode ajudar com o suor excessivo?

Com o intuito de diminuir o suor excessivo, muitas pessoas que sofrem com a hiperidrose buscam alternativas para melhorar a qualidade de vida.

Alguns pacientes começam a fazer uso de medicamentos por conta própria. Como o Escitalopram.

No entanto, como vimos anteriormente, esse medicamento só deve ser utilizado em casos de transtornos mentais.

Além de errado, se automedicar é perigoso, pois pode gerar consequências mais graves do que o problema que você tem de fato.

Um dos sintomas físicos da ansiedade é o suor.

Então, muitas pessoas que sofrem com a hiperidrose também sofrem com a ansiedade.

Por isso, acreditam que o Escitalopram resolve a questão da transpiração excessiva. Porém, não resolve.

Quem tem hiperidrose pode fazer uso desse medicamento?

Sim, desde que também sofram com ansiedade ou depressão.

Para a parte fisiológica, o Escitalopram não reduz e nem faz com que o suor excessivo não exista mais.

Dependendo do caso e da pessoa, ele pode aumentar ainda mais a quantidade de transpiração.

Soluções pra reduzir o suor excessivo

Lidar com a hiperidrose não é fácil.

Muitas pessoas evitam atividades corriqueiras do dia a dia para não passar por situações constrangedoras.

Infelizmente, esse problema que atinge de 2% a 3% da população, não tem uma fórmula mágica.

Alguns tratamentos disponíveis para amenizar o suor excessivo podem ser feitos. Estes são:

  • Utilizar prontos antitranspirantes diariamente
  • Uso de medicamentos anticolinérgicos
  • Aplicação de toxina botulínica (botox)
  • Cirurgias (Simpatectomia torácica e a lombar)
  • Iontoforese

Para tratar, você deve ter acompanhamento médico.

Em alguns casos, também é importante ter apoio psicológico de um profissional para melhorar a qualidade de vida.

Porém, tenha em mente que nem sempre uma estratégia adotada vai resolver esse problema por muito tempo.

Top 4 melhores antitranspirantes para combater a hiperidrose!

E aí, gostou do nosso artigo?

Conhece outra forma de amenizar o suor excessivo?

Deixa pra gente nos comentários

Post A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *