Simpatectomia estendida para hiperidrose: o que é? Resolve mesmo suor compensatório?

Em muitos lugares, a estação mais quente do ano vem acompanhada com chuvas torrenciais.

Apesar disso, o calor e as altas temperaturas não dão trégua.

Sendo assim, geralmente, durante o verão, nós suamos com mais frequência.

Aliás, por conta disso, muitas pessoas detestam essa época do ano.

Já, para outras, o calor exacerbado é o melhor de todo o período.

Independente do seu gosto – ou não – por esse período, o verão exige que nossos cuidados redobrem, especialmente no que tange à exposição direta ao sol.

No entanto, para quem tem hiperidrose, o aumento da sudorese é proporcional ao aumento da frustração e do desafio que é conviver com tal condição.

Dessa maneira, muitas pessoas escolhem e procuram médicos para a realização da cirurgia para hiperidrose conhecida como simpatectomia.

Este procedimento pode provocar possíveis colaterais.

Para trata-los, algumas pessoas resolvem fazer a simpatectomia estendida. Mas será que vale a pena?

O que é hiperidrose e quais suas formas de tratamento?

Embora poucas pessoas sabem o que, de fato, é hiperidrose, essa condição afeta cerca de 1% a 5% da população.

Essa transpiração em excesso corresponde ao hiperfuncionamento das glândulas sudoríparas écrinas.

Aliás, estas estão espalhadas pelo corpo, mas em predominância nas mãos, nas axilas e nas plantas dos pés.

Dessa maneira, quem tem hiperidrose sofre com o suor em grande quantidade, especialmente, nessas regiões.

Isso, claro, pode variar conforme o tipo da hiperidrose.

Geralmente, a hiperidrose primária focal consiste no acometimento dessas áreas corporais e aparece na infância e na adolescência de um indivíduo.

Já a hiperidrose secundária generalizada acontece por conta de uma condição médica, como alguma enfermidade, ou como efeito colateral do uso de determinadas medicações.

No caso dela, o suor acomete todas as áreas do corpo ou regiões bem incomuns.

Infelizmente, não há uma cura para a hiperidrose. Apesar de não ser letal, ela prejudica – e muito! – a vida de quem tem essa condição.

Isso porque mexe com a autoestima e, consequentemente, com as relações pessoais e profissionais.

No entanto, há uma notícia boa: existem formas de tratamento que podem ser utilizadas para diminuir, mesmo que de forma temporária, a questão da sudorese em excesso, sendo estas:

  • O uso de antitranspirantes é recomendado para qualquer gravidade do quadro
  • Uso de medicamentos anticolinérgicos
  • Aplicação de toxina botulínica que é popularmente conhecida como botox

Além dessas, em casos graves, alguns médicos dermatologistas podem recomendar a realização de um procedimento mais invasivo: a cirurgia para hiperidrose chamada simpatectomia.

O que é simpatectomia?

A simpatectomia é a cirurgia para hiperidrose mais indicada para casos graves.

Isso porque ela consiste na remoção dos gânglios nervosos simpáticos que, por sua vez, controlam determinadas ações involuntárias, como a produção do suor em algumas partes do corpo.

Há dois tipos de simpatectomia: a torácica e a lombar. A primeira citada, a simpatectomia torácica corresponde na remoção dos gânglios localizados no tórax.

Estes são responsáveis pelo controle da sudorese nas axilas, mãos e rosto.

Já a simpatectomia lombar é a retirada dos gânglios que ficam na região do lombar. Dessa maneira, ela promete eliminar o suor excessivo das coxas, virilhas, nádegas e pés.

Diferentemente de muitas, a cirurgia para hiperidrose utiliza uma micro câmera acoplada.

Sendo assim, o procedimento se torna ainda mais seguro. Além disso, apesar de ser um método simples, é preciso de anestesia geral.

Sendo assim, como qualquer outra cirurgia, a simpatectomia tem seus riscos e, claro, pode provocar possíveis efeitos colaterais.

Nesse caso, a reação mais temida por todos é a hiperidrose compensatória.Esta, por sua vez, corresponde ao aumento da sudorese em várias partes do corpo.

Em alguns casos, esse efeito desaparece sozinho. No entanto, é provável que seja permanente caso a hiperidrose compensatória não suma entre três e doze meses após o procedimento cirúrgico.

Mas será que há alguma forma de tratar esse aumento da transpiração depois da cirurgia para hiperidrose?

Vale a pena realizar a simpatectomia estendida?

Já imaginou o quão frustrante e desanimador apostar todas as fichas em uma solução e ela, de alguma forma, não resolver totalmente o seu problema?

Bom, esse é o caso de quem realiza a simpatectomia para eliminar o suor excessivo, mas “ganha” uma sudorese frequente e em grande quantidade em outras partes do corpo.

Diante disso, muitas pessoas pensam em se submeter uma nova cirurgia para hiperidrose: a simpatectomia estendida.

De fato, esse é um questionamento muito válido e, recentemente, ele foi feito em um grupo em uma rede social. Confira abaixo:

 

Para muita gente, a cirurgia de simpatectomia estendida pode ser a solução que falta.

No entanto, como você pôde perceber pelos comentários acima, muitos profissionais não recomendam a realização desse procedimento cirúrgico.

Isso porque, geralmente, essa nova cirurgia para hiperidrose não resolve nada.

Sendo assim, os médicos preferem evitar riscos já que não há garantia de resultados positivos e satisfatórios.

E ai, gostou do nosso artigo?

Você conhece alguém que já fez alguma cirurgia para hiperidrose?

Facebook
Twitter
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.