fbpx

Fiz simpatectomia e continuo suando: vale a pena fazer a reversão da cirurgia?

Desde que se popularizaram, as redes sociais têm sido palco para muitas discussões importantes ou não.

Uma delas acontece – e muito! – anualmente, principalmente durante a estação mais quente e, geralmente, constitui-se de citar pontos positivos ou negativos do verão.

Isso porque muitas pessoas amam esse período do ano, mas há uma grande parcela que não aguenta as altas temperaturas e todas as consequências que ela causa.

Normalmente, quem tem hiperidrose se identifica no segundo grupo já que, no verão, a sudorese aumenta ainda mais. Isso faz com que, além de ser desagradável esteticamente, as piadas e os comentários maldosos elevem.

Para evita-los, muitas pessoas que sofrem com essa condição procuram formas de tratamento.

Uma delas é indicada para casos mais graves, pois é uma cirurgia para suor excessivo chamada simpatectomia.

No entanto, infelizmente, o procedimento nem sempre consegue diminuir a questão do suor excessivo e aumentar a qualidade de vida.

Sendo assim, será que é possível fazer reversão da simpatectomia torácica?

Pensando nisso, hoje, decidimos explorar mais esse assunto. Quer saber sobre? Acompanha a leitura junto com a gente!

O que é hiperidrose?

Como citamos anteriormente, quem sofre com a hiperidrose também sofre com os comentários maldosos e desnecessários.

Infelizmente, muitos insultos são frutos do desconhecimento sobre o que é, de fato, essa condição.

Essa desinformação afeta – e não é pouco! – até mesmo quem tem hiperidrose.

Aliás, segundo determinados órgãos de saúde, essa condição acomete cerca de 1% a 5% da população brasileira. Mas o que é hiperidrose?

Bem, como o próprio nome já sugere (hiper = muito) e (drose = sudorese), a hiperidrose significa suor excessivo em várias partes do corpo.

Esse aumento da transpiração acontece, principalmente, por conta do hiperfuncionamento das glândulas sudoríparas écrinas.

Estas, por sua vez, estão espalhadas por toda superfície da derme. Entretanto, aparecem em maior predominância nas axilas, mãos e planta dos pés.

Por isso, é frequente vermos relatos de pessoas com hiperidrose que lutam contra o suor excessivo nessas regiões.

Mas isso varia conforme o tipo de hiperidrose: a hiperidrose primária focal e a hiperidrose secundário generalizada.

Normalmente, a hiperidrose primária focal corresponde, principalmente, no acometimento das áreas corporais citadas (axilas, mãos e planta dos pés).

No mais, aparece, com maior frequência, na infância e adolescência.

Já a hiperidrose secundária generalizada acontece devido a uma condição médica, como uma enfermidade, ou sendo um efeito colateral do uso de determinadas medicações.

Nesse caso, a sudorese em excesso atinge todas as áreas do corpo ou regiões mais incomuns.

Para diminuir a transpiração em grande quantidade bem como aumentar e melhorar a qualidade de vida, independentemente do tipo de hiperidrose que acomete o indivíduo, é preciso procurar tratamento.

Como tratar a hiperidrose?

Quando um paciente com hiperidrose procura um acompanhamento médico, ele vai em busca de uma cura.

Entretanto, infelizmente, ela não existe, mas, obviamente, existem métodos que são utilizados como tratamento que podem ser bem eficazes, mesmo temporariamente.

As principais formas para tratar a hiperidrose são:

  • Independentemente do tipo ou da gravidade do quadro, o uso de antitranspirante é recomendado
  • Em alguns casos, o uso de medicamentos anticolinérgicos prescritos por médicos podem diminuir a sudorese excessiva
  • A aplicação de toxina botulínica (popularmente conhecida por botox) pode ser uma ótima opção para quem quer diminuir a sudorese de uma forma mais prolongada, mas não permanente

Para além desses métodos, a indicação de cirurgia para hiperidrose também pode ser uma realidade para casos mais graves. Um dos procedimentos é chamado de simpatectomia.

O que é simpatectomia?

A simpatectomia é um dos métodos mais utilizados para, em casos graves de hiperidrose, diminuir a sudorese intensa e frequente bem como melhorar a qualidade de vida e a autoestima de quem sofre com essa condição. Isso porque é uma cirurgia para suor excessivo.

Tal procedimento cirúrgico se constitui na remoção dos gânglios nervosos simpáticos que controlam determinadas ações involuntárias, como a produção do suor.

No caso, essa cirurgia para hiperidrose pode ser de dois tipos: a torácica e lombar.

A simpatectomia torácica é a retirada dos gânglios que ficam no tórax que, por sua vez, controlam a transpiração nas axilas, mãos e rosto.

Já a simpatectomia lombar é a remoção dos gânglios que ficam na região lombar. Sendo assim, esta pode eliminar o suor nas coxas, virilhas, nádegas e pés.

Em ambos os tipos, a cirurgia para hiperidrose chamada costuma utilizada uma micro câmera acoplada. Tal equipamento faz com que o procedimento cirúrgico seja mais simples e seguro.

No entanto, como em qualquer outra cirurgia, a simpatectomia tem seus riscos e, com isso, pode provocar efeitos colaterais nos pacientes.

A reação mais temida por quem realiza essa cirurgia é a hiperidrose compensatória. Esta é o aumento da sudorese em várias partes do corpo.

Quando acontece, em alguns casos, esse efeito desaparece sem fazer nada. Entretanto, infelizmente, a hiperidrose compensatória pode ser permanente para algumas pessoas.

Valor da simpatectomia

Além do desejo de optar por realizar uma cirurgia para hiperidrose, as pessoas que sofrem com o suor excessivo também precisam se organizar financeiramente.

Isso porque, geralmente, esses procedimentos cirúrgicos têm um custo elevado já que englobam equipes médicas, cirurgiões especializados e, claro, exames e remédios para o pós operatório.

A cirurgia para hiperidrose pode ser feita mediante autorização de convênios que cobrem esse tipo de procedimento.

No mais, o procedimento pode ser realizado de forma particular. Nesse caso, há uma variação no valor da simpatectomia que pode chegar à R$ 18 mil reais.

Para além disso, a simpatectomia foi aprovada, em 2009, na Câmara como um dos procedimentos que podem ser feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Reversão da simpatectomia torácica

Como citamos anteriormente, a cirurgia para hiperidrose tem riscos e reações que podem se prolongar por um tempo tal qual a hiperidrose compensatória.

Esta, por sua vez, incomoda e muito quem sofre com esse quadro. Dessa maneira, não é incomum vermos questionamentos que se baseiam em: “fiz simpatectomia e continuo suando.

O que posso fazer?”.

Bem, nessas situações, algumas pessoas procuram fazer a reversão da simpatectomia torácica.

De fato, é possível desde que, no procedimento cirúrgico, tenha sido utilizado grampos ou clips. Sendo assim, na cirurgia de reversão, a retirada desses materiais se faz necessário.

Apesar disso, ainda não há garantia total e completa da reversão completa da simpatectomia torácica mesmo que, em haja relatos de 80% de chances do retrocesso, principalmente nos primeiros meses após a cirurgia para hiperidrose.

E aí, gostou do nosso texto?

Você já conhecia a cirurgia desse post?

A maior loja virtual para quem sofre de hiperidrose do Brasil!
Facebook
Twitter
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.